Aproveite plenamente este dia

O mês de fevereiro deste ano acaba hoje! Ou seja, ganhamos um dia a mais. Pode não parecer muito. Mas o que é um dia na vida de muita gente?
Para quem já não tem um propósito definido, pode ser uma eternidade de espera.
O que significa este dia para você?
Hoje, pode ser apenas um dia! Com suas 24 horas. Seus 1.440 minutos. Ou ainda com os 86.400 segundos.
Mas o significado de todos esses números, só nós, particularmente, podemos atribuir.
Posso simplesmente reclamar por que tenho que enfrentar tudo isso de novo!
Posso agradecer por ter toda essa gigante oportunidade.
Posso querer mais uma vez que o mundo gire ao meu redor.
Posso também querer fazer parte do mundo de alguém.
A escolha é minha. Olhar para cima e ver um céu cinzento, daqueles que nos tiram completamente o ânimo. Ou posso olhar para cima e saber que acima daquelas nuvens escuras tem um sol brilhando, tem um céu azul, magnífico.
Posso desejar ardentemente o sucesso, e lutar com unhas e dentes para alcançá-lo.
Posso também desejar apenas os frutos do sucesso. Saborear suas delícias. Mas não fazer nenhum esforço para alcançá-lo.
Posso pagar o preço que a vida me cobra para alcançar tudo que desejo.
Posso reclamar aos quatro cantos que sou um desafortunado que nada alcança.
Posso sobreviver um pequeno mal estar, e agradecer a saúde restabelecida.
Posso também maldizer minha condição de saúde e lamentar ainda estar vivo.
Diante de um prato de comida, posso saborear e agradecer.
Posso reclamar por não estar no melhor restaurante da cidade.
Então, neste momento, eu escolho fazer deste dia uma ótima oportunidade para realizar a obra da minha vida.
Mesmo que nessa construção eu contribua com alguns tijolos apenas. Mas vou apreciar cada fração desse tempo, e dedicá-lo ao melhor.
Não quero ser apenas mais um a passar por aqui. Mal agradecido, pela vida que recebi. Quero sim, deixar o mundo um pouco melhor do que recebi.
Pense nisso!
Tenha um Bom Dia HOJE …

Sigmar Sabin

Faça um comentário

Sempre Alegria - © 2014. Todos os direitos reservados.
by Anna Rebello